Venda de duplicatas em factoring: é legal?

Antecipação de recebíveis: entenda todas as modalidades
2018-06-04
O empréstimo empresarial: como novos empréstimos podem ser evitados
2018-06-18

A venda de duplicatas é algo muito utilizado no mercado financeiro e presente no cotidiano das empresas. Elas valem como recursos para arcar com custos operacionais dos negócios.

Dessa forma, existem vários tipos de descontos de duplicatas, cada um com suas particularidades. Lembre-se de que essas operações de vendas de duplicatas são cheias de detalhes e ligadas a conceitos de legislação.

O que é uma duplicata e por que vender?

A duplicata nada mais é que um título de crédito quando o cliente fecha o acordo com a empresa. Essa duplicata pode ser descontada pelo banco, para que haja um adiantamento de capital. A duplicata é emitida juntamente a nota fiscal em operações de compra e venda mercantil, onde são informados o valor e o vencimento do título.

O desconto de duplicatas é uma estratégia financeira para um adiantamento de capital de giro.

 

A duplicata descontada é o compromisso de que a instituição financeira liberará o crédito bancário. Mesmo que ocorra essa transferência do título para o banco, caso o seu cliente não pague o valor da duplicata, essa dívida deve ser quitada pela sua empresa. Para que o fechamento do negócio com o banco seja um sucesso, faz-se necessário conhecer os tipos de duplicatas descontadas.

  • Cobrança simples: a empresa que detém a duplicata vai até a instituição financeira para a mesma ser descontada. Dessa forma, o comprador efetua o pagamento em dia, conforme acordado;
  • Cobrança caucionada: o banco exige uma garantia para adiantar o valor para a empresa. Normalmente, o banco solicita como caução as duplicatas de todas as vendas da empresa, para depois emitir o adiantamento;
  • Endosso de duplicata: pode ser feito em duas modalidades: mandato e translativo. Com o mandato, o banco se responsabiliza apenas pela cobrança do credor. Já com o translativo, todos os direitos do crédito são transferidos ao banco;
  • Aceite de duplicata: declaração do comprador confirmando as informações que estão na duplicata, como uma assinatura.

O que é uma empresa de factoring?

Factoring (fomento mercantil ou comercial) é uma atividade para adquirir direitos creditórios por um valor à vista e mediante taxas de juros e de serviços, além de contas a receber a prazo. Uma empresa de factoring possibilita liquidez financeira de forma imediata para micros e pequenas empresas.

Mesmo que seja parecido com o procedimento dos bancos, não é a mesma coisa. Sua competência se resume a adquirir títulos de crédito e também controlá-los, sem recursos de terceiros. A operação de factoring envolve três partes:

  • O Factor: que compra o crédito;
  • O Aderente: quem cede os seus haveres em troca do adiantamento da quantia;
  • O Devedor: quem faz a compra e dá origem ao crédito.

A transação é formalizada quando o Factor assina o contrato de fomento mercantil com o Aderente, onde são explicadas as condições gerais e o fator de compra. As operações de factoring podem ser tanto nacionais como internacionais.

As empresas de factoring são uma forma inovadora e estratégica para ajudar os empresários.

 

A venda: é legal ou não?

A venda de duplicatas em factoring é legal, sim! Porém, todo cuidado é pouco na hora de optar com qual empresa você irá trabalhar. Existem muitos casos de empresas que não são idôneas, portanto, analise com cuidado antes de fechar negócio. Algumas das vantagens de utilizar uma empresa factoring é a agilidade do processo, não incidência de juros, facilidade na compra de matéria-prima e menor risco de inadimplemento.

O balizamento legal do factoring no Brasil está definido nas normas do direito legislado vigente no país, consubstanciado principalmente nos seguintes textos legais:

  • Código Civil Brasileiro (Lei nº 3.071, de 1/1/1916), art. 1.216, no tocante à prestação de serviços;
  • Código Comercial Brasileiro (Lei nº 556, de 25/6/1850), arts. 191 a 220; e Código Civil Brasileiro, arts. 1.065 a 1.078, referentes à compra de créditos mercantis;
  • Lei nº 5.474/68, referente às duplicatas envolvidas na compra e venda mercantil e na prestação de serviços;
  • Infralegal: Resolução do Conselho Monetário nº 2.144, de 22/2/95;
  • Legislação tributária: Leis nºs 8.981, de 20/1/95, 9.249, de 26/12/95, e 9.430, de 27/12/96.

Em períodos que as leis são tão desrespeitadas, este texto tem por objetivo explicar como essas duas modalidades de vendas de duplicata funcionam. Além disso, esclarecer as semelhanças e diferenças entre factoring e desconto bancário.

Você já usou algum desses auxílios para a sua empresa? Conte-nos como foi essa experiência! Acompanhe nossas publicações para saber mais sobre aplicações de duplicatas e outras modalidades financeiras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ENTRAR