O que é duplicata: mercantil e de serviço?
2018-06-04
As vantagens da amortização de financiamento
2018-06-04

O que é securitização?

 

Etimologicamente, o termo “securitização” tem raízes na língua inglesa “securitization”, que remete a “securities”. Trata-se de um “título financeiro, de propriedade ou de crédito, emitido por um ente público ou privado, com características e direitos padronizados”.

Esse é um conceito não muito recente, mas que, no entanto, vem se espalhando graças à popularização do mercado de capitais e das operações que fazem parte dele.

Resumidamente, a operação pode ser definida como “o ato de converter determinados direitos creditórios, como: cheques, duplicatas, empréstimos, crediário, vendas com cartões de crédito, precatórios, entre outras ferramentas, em dinheiro ‘vivo’ nas mãos de uma empresa”.

Nessa operação, determinados direitos creditórios futuros como cheques, duplicatas, empréstimos, crediário, entre outros, são transformados em dinheiro vivo imediatamente.

Sob o controle de uma instituição financeira ou de um administrador, tais créditos são convertidos em títulos que, por sua vez, podem ser negociados por esses administradores da maneira que lhes convier. Dessa forma, uma empresa consegue adquirir recursos financeiros sem a necessidade de recorrer a empréstimos bancários que, por sua natureza, geram um passivo em seu balanço financeiro.

O que ocorre, na prática, é que uma grande quantidade de direitos creditórios (títulos de ativos financeiros), como os citados acima, podem, a partir de certas operações realizadas por profissionais do segmento de mercado de capitais, transformar-se em títulos passíveis de negociação.

Aliás, essa é uma das operações típicas do mercado de capitais. Ele é capaz de converter ativos, que só tornar-se-iam líquidos futuramente, em títulos mobiliários líquidos quase que instantaneamente, e prontos para serem repassados para potenciais investidores que, juntamente às instituições financeiras, assumirão os riscos que um dia foram das empresas cedentes.

Esses direitos creditórios transformam-se em títulos por meio de uma securitização. Eles serão convertidos em um compromisso de pagamento posterior para os clientes ou investidores que, por sua vez, deverão receber os respectivos rendimentos das aplicações feitas pela instituição financeira — em uma operação baseada numa carteira de clientes, onde um fluxo de caixa ocorrerá graças a essa distribuição de cotas entre investidores.

Vale lembrar que essas cotas também podem ser adquiridas por outras empresas, assim como por bancos, fundos de investimentos, distribuidoras de valores, entre outras entidades.

Nesse caso, as instituições que adquirirem os títulos acabam sendo beneficiadas, já que tais entidades podem assumir o compromisso de rentabilizar o capital assumido, ficando apenas com a obrigação de pagar por eventuais dívidas referentes a esses títulos.

 

Como funciona a operação de securitização?

 

Agora esses cheques, duplicatas, crediários, vendas com cartões de crédito, entre outras operações —cujos direitos creditórios (direito a receber um pagamento) foram repassados pela empresa a uma instituição financeira — foram transformados em títulos para investimento no mercado de capitais.

Tal operação é capaz de solucionar um dos grandes dilemas do universo empresarial: a aquisição de recursos financeiros (com um custo competitivo) capazes de impulsionar, ou mesmo tornar possíveis, as suas atividades normais, sem a necessidade de recorrer a empréstimos bancários que, além das taxas de juros altíssimas, e de uma série de garantias exigidas, ainda comprometem o seu balanço financeiro.

Mas para que tal operação possa se concretizar, é preciso que entrem em cena os seus principais atores. A saber: o Originador, o Intermediário e o Investidor.

 

1. Originador

 

Nesse processo de securitização, a empresa que cede os seus direitos creditórios é conhecida como “Originadora”.

Todos os valores que teria a receber com duplicatas, cheques, vendas com crediários, com cartões de crédito, etc., são repassados para uma instituição financeira, em troca de um valor imediato (e geralmente menor do que teria direito se esperasse) — em um processo de transformação dos seus ativos com liquidez futura em títulos mobiliários com liquidez imediata.

Assim, resumidamente, a empresa (ou “Originadora”) vende uma promessa de pagamento, em troca de um valor determinado. Ela opta por abrir mão de um valor maior no futuro, por um valor menor de imediato, com a obrigação de ceder os seus direitos sobre esses compromissos.

 

Um dos elos dessa operação são as empresas, responsáveis por repassar os seus direitos creditórios.

2. Intermediário

A instituição financeira ou securitizadora que compra essa dívida das empresas é conhecida como “Intermediária”. Por meio de uma operação no mercado de capitais, ela utiliza esses direitos creditórios como garantias para a emissão de títulos mobiliários.

Esses títulos são adquiridos por cidadãos comuns, ou por outras instituições financeiras, na forma de cotas. E é por meio dos valores acumulados com a venda dessas cotas (partes dos direitos creditórios que ela adquiriu da empresa) que a instituição intermediária restitui à empresa o valor combinado por esses direitos.

 

3.Investidor

 

Por fim, eis o outro elo dessa operação: o Investidor. Ele é, digamos, a outra ponta interessada no negócio. São eles que compram os títulos, na forma de cotas, e garantem à instituição financeira um montante suficiente para que ela pague à empresa o valor dos direitos creditórios que adquiriu, e invista o restante no mercado de capitais.

Uma parte da rentabilidade desses títulos negociados pela instituição intermediária no mercado de capitais deverá ser repassada para os clientes (investidor), de acordo com um contrato no qual deverão constar todas as condições da operação.

 

O que preciso saber sobre direitos creditórios?

Direitos creditórios são os valores aos quais uma empresa teria direito a receber quando efetua transações com cheques, cartões de crédito, duplicatas, empréstimos, crediários, precatórios, entre outras operações semelhantes.

Pelo processo de securitização, todos esses recebíveis  – de várias empresas diferentes – são reunidos em um só documento, para que possam ser transformados em um único ativo, com a sua respectiva classificação de crédito.

Agora, os direitos a receber (com liquidez futura) foram convertidos em ativos prontos para serem negociados no mercado de capitais, configurando-se como uma transação financeira entre o cedente e o intermediário, tendo ao fundo a figura do investidor (o cliente), que, em última instância, será o responsável por garantir o recurso financeiro capaz de mover todo esse mecanismo operacional.

Tem-se, dessa forma, a concretização de uma transação financeira entre partes, quando estas se unem com o objetivo de gerar e movimentar riquezas, fruto de uma relação que, inicialmente, era baseada na confiança e na satisfação dos seus interesses pessoais.

Portanto, em um processo de securitização, os ativos que permitem o fluxo de caixa de uma organização ajudam a movimentar o mercado de capitais  (que, em última instância, beneficia os investidores e instituições financeiras). Eles oxigenam o setor empresarial que, de outra forma, ficaria refém de empréstimos e demais financiamentos bancários que, em médio prazo, comprometem a sua saúde financeira.

Empréstimos, financiamento de veículos, vendas com cartões de crédito, empréstimos hipotecários (e para franqueados), recebíveis decorrentes de crediários, contratos para fornecimento de matéria-prima e insumos, todos esses recebíveis que configuravam-se apenas como uma promessa de pagamento, agora são convertidos em recursos imediatos, sob a condição de ter que ceder o seu direito a outra instituição.

 

Quais as vantagens e desvantagens da securitização?

 

 

1. Vantagens

 

As operações de securitização oferecem vantagens evidentes para as empresas que optam por fazer a cessão dos seus direitos. Isso porque os riscos referentes a possíveis perdas financeiras com os títulos resultantes da aquisição dos direitos creditórios são arcados pelas instituições financeiras e, principalmente, pelos investidores.

Essa é uma operação sem risco algum para o cedente, e somente para o investidor, que poderá constatar, a posteriori, a pouca saúde desses títulos adquiridos, resultantes de cheques, duplicatas, crediários, entre outras operações que, porventura, não foram honradas e, consequentemente, não se transformaram em um fluxo de caixa suficiente para que seja remunerado.

Pelas suas características, os títulos resultantes da aquisição de direitos creditórios são facilmente repassados para uma grande quantidade de investidores. Ou seja, há uma grande demanda por títulos com liquidez futura, mas que foram transformados em títulos ou valores mobiliários no presente. Nesse caso, trata-se de uma vantagem para as instituições e administradores que realizam esse tipo de operação.

Outra vantagem da securitização também diz respeito à empresa cedente. Nesse caso, a vantagem é que ela evita comprometer o seu balanço financeiro, e ainda destrava fundos. O resultado disso é uma maior capacidade de investimento e melhores condições de manter as suas atividades adequadamente, já que não terá que recorrer a empréstimos bancários, ou outros tipos de financiamentos para as suas atividades.

Esse é um tipo de ação que pode permanecer sob a posse dos investidores e das instituições financeiras. Dessa forma, poderão negociá-las em qualquer tempo, e optar por obter os seus rendimentos em um outro momento  – o que não acontece com boa parte das ações negociáveis no mercado financeiro.

As operações com direitos creditórios geralmente são supervisionadas por empresas de consultoria especializadas. Estas realizam classificações de risco com base em estudos prévios sobre o comportamento desse tipo de ativo no mercado financeiro.

Para as empresas, a securitização representa um alívio momentâneo nas suas contas.

 

2. Desvantagens

 

Operações que envolvem direitos creditórios costumam trabalhar com taxas administrativas altas, além de impostos e demais encargos. Obrigações como o IOF, Imposto de Renda, além de taxas administrativas podem comprometer a sua rentabilidade.

Esta não é uma operação simples, por isso, geralmente exige a contratação de profissionais especializados no mercado de capitais. Um cidadão comum não tem o poder de negociar sem o apoio de um profissional desse segmento.

Como foi visto acima, o investimento em securitização configura-se em uma operação de baixo risco para a empresa cedente. Por inferência, esses riscos, obviamente, ficarão por conta do investidor. Este terá que arcar com os riscos de possuir títulos relativos a direitos creditórios não honrados e, consequentemente, com pouca saúde financeira.

O repasse dos direitos creditórios pode ser prejudicial a longo prazo para a empresa cedente. Essa operação, em excesso, compromete a parte financeira da empresa, já que os valores que seriam recebidos representavam lucro para o negócio. E como a antecipação que recebe é feita com deságio, a empresa acaba tendo prejuízos que só perceberá no longo prazo.

 

O que é determinado pela lei relativo à securitização?

 

Ainda não existe uma legislação específica, que discipline esse tipo de transação financeira. No entanto, o Projeto de Lei nº 2014/2016 foi criado com o objetivo de alterar a Lei nº 4.320/64, a fim de permitir que entidades públicas possam amenizar as dificuldades financeiras pelas quais vêm passando.

Direitos creditórios, fruto de parcelamento de dívidas e demais operações administrativas, desde que haja autorização do Congresso Nacional, agora podem ser repassadas para instituições financeiras.

Já na esfera privada, a Resolução 2.493/98, do Conselho Monetário Nacional, e a Instrução Normativa nº 356/2001 são responsáveis por ditar as regras que norteiam as operações de securitização.

Por falta de uma legislação específica, o Código Civil é o instrumento utilizado para disciplinar as operações de securitização.

Elas determinam as modalidades existentes e normatizam as bases que fundamentam as operações realizadas pelos Fundos de Investimentos e instituições financeiras.

Com relação ao repasse dos direitos creditórios de uma empresa, geralmente recorre-se ao art. 290 do Código Civil, que diz que: “A cessão do crédito não tem eficácia em relação ao devedor, senão quando este é notificado; mas por notificado se tem o devedor que, em escrito público ou particular, se declarou ciente da cessão feita”.

Isso significa dizer que toda a operação torna-se nula caso o responsável por honrar o compromisso gerador de um direito creditório não seja avisado com antecedência sobre a transferência da sua obrigação.

Ainda tomando como base o Código Civil, utiliza-se, como forma de nortear esse tipo de operação, o art.286, que diz expressamente: “O credor pode ceder o seu crédito, se a isso não se opuser a natureza da obrigação, a lei, ou a convenção com o devedor; a cláusula proibitiva da cessão não poderá ser oposta ao cessionário de boa-fé, se não constar do instrumento da obrigação”.

A norma jurídica também se manifestou com relação às operações de securitização no segmento do agronegócio.

O art. 40, da Lei nº 11.076/04, que  “Dispõe sobre o Certificado de Depósito Agropecuário”, diz que:  “A securitização de direitos creditórios do agronegócio é a operação pela qual tais direitos são expressamente vinculados à emissão de uma série de títulos de crédito, mediante Termo de Securitização de Direitos Creditórios, emitido por uma companhia securitizadora, do qual constarão os seguintes elementos:

I – identificação do devedor;

II – valor nominal e o vencimento de cada direito creditório a ele vinculado;

III – identificação dos títulos emitidos;

IV – indicação de outras garantias de resgate dos títulos da série emitida, quando constituídas.

Por fim, a Lei nº 10.303/01, que altera e acrescenta dispositivos na Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e que “Dispõe sobre as Sociedades por Ações, e na Lei nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976, que dispõe sobre o mercado de valores mobiliários e cria a Comissão de Valores Mobiliários, trata dos títulos imobiliários que podem ser emitidos para esse fim.

O mercado de capitais nunca esteve tão aquecido como nos últimos tempos. E a grande procura por investimentos e operações como a securitização de títulos é uma prova disso. Mas qual a sua opinião sobre essas “novas” formas de investimento. Deixe a sua resposta com um comentário, logo abaixo. E continue acompanhando as nossas publicações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ENTRAR