O que é e como funciona um FIDC: entenda as etapas desse investimento

Eficiência Possível
2018-06-02
O que é ágio e deságio? Como é feito o cálculo?
2018-06-04

 

Segundo dados da Associação das Entidades de Mercado de Capitais (Anbima), a captação líquida dos Fundos de Investimentos no final do ano passado foi de quase R$ 260 bilhões de reais – um aumento de quase 100% em relação ao ano de 2016. Isso contribuiu para que operações como o  FIDC (Fundo de Investimento em Direitos Creditórios) passassem a figurar no cardápio de investimentos do cidadão comum.

Uma captação recorde de quase R$260 bilhões de reais fez com que operações como o FIDC entrassem no cardápio dos investidores.

No total, o capital líquido dos Fundos de Investimentos no país já chega a quase R$ 4 trilhões de reais, e o destaque vai para os fundos multimercados, responsáveis pelo maior número de adesões em 2017, e com uma captação líquida em torno de R$ 100 bilhões de reais – quatro vezes maior que o montante captado em 2016.

De acordo com especialistas do setor, uma combinação de taxa de juros baixa e a oferta de um cardápio bem mais variado de investimentos – inclusive com ofertas para todas as classes sociais – foram os principais responsáveis por esses resultados tão positivos.

O setor assistiu a uma espécie de “popularização” das operações de investimentos, com uma crescente procura por Fundos de Renda Fixa e pelas cadernetas de poupança, que ainda se mantêm firmes, mesmo com um reduzido poder de atração.

Os Fundos de Renda Fixa são considerados os investimentos mais estáveis na atualidade. Eles praticamente não apresentaram variações na sua captação líquida entre 2016 e 2017.

Na verdade, tiveram um comportamento melhor do que o das cadernetas de poupança, com rendimentos bem maiores, como foi o caso dos Fundos de Crédito Livre, cujo retorno de investimento foi da ordem de 14,21% – ou seja, duas vezes maior que os 6,67% das cadernetas.

O que é FIDC?

FIDC é a sigla para Fundos de Investimento em Direitos Creditórios. Como todo fundo de investimento, ele funciona como uma espécie de condomínio. Nesse caso, cada investidor arca com uma cota mensal, que se somará à dos demais investidores, para que o montante acumulado seja investido pelo administrador financeiro da melhor forma possível.

Tecnicamente, ele é um Fundo de Renda Fixa, também definido como um Fundo de Recebíveis, que, como todo investimento semelhante, tem os seus rendimentos calculados com base numa taxa prefixada. Isso significa que tais rendimentos não estão sujeitos às variações do mercado, tampouco às habilidades isoladas do administrador.

A sua diferença básica com relação aos demais fundos é o fato de que pelo menos metade do montante capitalizado deverá ser aplicado nos chamados “Direitos Creditórios”, que podem ser definidos como todo benefício ou direito financeiro obtido a partir de determinados créditos que uma empresa tem a receber.

São os casos, por exemplo, dos direitos relativos aos créditos com cheques, duplicatas, aluguéis, empréstimos, faturas de cartões de crédito, crediários, entre outras operações semelhantes. Nesses casos, os valores aos quais terá direito com essas operações podem ser negociados na forma de títulos. Esses títulos, ao serem repassados para outros indivíduos, geram uma operação conhecida como “securitização”.

O que ocorre é o seguinte: digamos que uma empresa efetue uma venda com crediário. Essa empresa começará a receber, dentro de trinta dias, o valor das parcelas referentes à venda da mercadoria. No entanto, ela tem a prerrogativa de transformar esse recebível em um título, e, com isso, receber antecipadamente os valores das parcelas.

Para tal, será preciso que ela abra mão dos seus direitos creditórios (uma parte desse valor) em favor da instituição financeira ou investidor que comprou esse crédito. Nas mãos do investidor o crédito será considerado mais uma cota que, somada a outras, formará um capital a ser gerido pelo administrador de Fundos.

 

Principais tipos de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios

 

1. Aberto

Trata-se de um fundo creditório livre para ser resgatado a qualquer momento pelo administrador ou instituição financeira à frente do negócio. Desde que, obviamente, sejam respeitadas as condições para tal operação.

Ao optar pela modalidade aberta, o cliente poderá resgatar a sua remuneração a qualquer tempo.

 

2.  Fechado

Diferentemente do Fundo Creditório Aberto (e por questões óbvias), o resgate do capital acumulado, nesse caso, estará sujeito a um prazo determinado, previamente estipulado no contrato.

3. Determinado

Este item tem a ver com o prazo para o resgate das operações. No tipo de investimento com tempo determinado, esse prazo deverá ser conhecido de antemão pelos investidores e pelos administradores do fundo. Ao final do vencimento, será obrigatório o resgate do montante acumulado.

4. Indeterminado

Aqui também estamos falando dos prazos para o resgate das aplicações realizadas. Diferentemente do que ocorre com o Fundo de Direito Creditório com Tempo Determinado, neste caso, não existe um prazo predeterminado para o resgate obrigatório do capital.

Como funciona o FIDC?

O mecanismo desse tipo de operação funciona semelhantemente ao dos demais Fundos de Investimentos. O processo ocorre, primeiramente, por meio da contratação de uma instituição financeira capaz de optar pelos caminhos mais rentáveis e seguros para o investimento.

Nesse caso, caberá ao administrador, ou instituição financeira, repassar uma certa quantidade de cotas para os investidores interessados.

A compra dessas cotas automaticamente autoriza os administradores a utilizá-las da forma que bem entenderem, seja investindo em ações da bolsa, em fundos de renda fixa, fundos imobiliários, previdenciários, entre outras formas de investimento, capazes de converter-se em boas remunerações para os cotistas no futuro.

Tipos de cotas

Existem dois tipos básicos de FIDC: Cotas Sêniores e Cotas Subordinadas. A importância de se conhecer bem ambas as modalidades está no fato de que cada uma delas possui um risco e uma rentabilidade diferente, além de formas de resgate também diferentes.

Tecnicamente o que acontece é que em um Fundo de Investimento em Direitos Creditórios as cotas disponibilizadas geralmente são divididas em partes desiguais, como, por exemplo, 70% de cotas Seniores e 30% de cotas Subordinadas.

Nesse caso, os 70% são para investimentos de baixo risco. Os clientes dessa modalidade obterão seus rendimentos a uma taxa prefixada e, portanto, não sujeitas às variações do mercado ou à habilidade do administrador.

Já os 30% restantes geralmente estão sujeitas a maiores riscos (e maiores lucros), já que serão investidos em fundos com rendimentos variáveis.

Além destas, outras características de ambas as cotas, são:

1. Cota Sênior

Esse é um tipo de cota mais relacionada com a preferência na hora do resgate. Ela também se comporta como um fundo de renda fixa, com uma rentabilidade que pode chegar a até 135% do CDI.

O cotista Sênior tem alguns “privilégios” em relação aos demais. Por exemplo, mesmo que a remuneração seja inferior ao que se esperava, esta será imediatamente corrigida (mesmo com prejuízo aos demais cotistas), a fim de que ele tenha assegurada a rentabilidade prevista.

2. Cota Mezanino

As cotas Mezaninos são, digamos, um meio termo entre as cotas Seniores e as Subordinadas. Se por um lado elas têm a primazia do resgate em relação aos cotistas Subordinados, por outro lado estão sujeitas às condições relacionadas com a remuneração dos cotistas Seniores.

3. Cota Subordinada

Já o cotista Subordinado, como o próprio nome diz, está subordinado ao cotista Sênior, no sentido de que só resgatará a sua remuneração após a remuneração dele.

É uma condição que pode causar situações controversas, como, por exemplo, o fato de essa correção dos rendimentos dos cotistas Sêniores ser feita com uma parte dos rendimentos que, supostamente, seriam dos Subordinados.

A sua grande vantagem é que, enquanto os Seniores trabalham com uma taxa prefixada, ou seja, não poderão ganhar mais do que o previsto, os Subordinados ganharão mais, caso a rentabilidade seja maior.

Isso significa que o cotista Subordinado é uma espécie de garantia para os demais. Já que a sua situação dependerá das operações dos outros investidores.

 

Quem pode aplicar em FIDC?

 

Talvez a característica básica do Fundo de Investimento em Direitos Creditórios seja o fato de ele ser uma operação exclusiva para profissionais desse segmento.

Geralmente são profissionais do setor financeiro, com qualificação e experiência no ramo de investimentos. São os casos de administradores de carteiras de investimentos, investidores profissionais, operadores da bolsa de valores, indivíduos com certificado de operador autônomo da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), além de analistas de finanças, cidadãos comuns certificados (desde que tenham capacidade de investimento a partir de R$ 1 milhão de reais), entre outros profissionais do ramo.

Devido à sua alta complexidade, somente especialistas podem realizar operações em FIDC.

Portanto, segundo os especialistas, o FIDC não é recomendado para pequenos investidores ou cidadãos sem qualificação nesse segmento. Para que possa enveredar-se por esse tipo de operação, é preciso, necessariamente, recorrer aos serviços de um profissional do ramo, administradores institucionais de fundos de investimentos, empresas seguradoras, administradores de fundos, entre outros profissionais semelhantes.

São os profissionais capazes de lidar com essa relação risco x retorno, e que já construíram um certo know-how em diversos tipos de operações financeiras.

 

Principais características do FIDC

 

  • É um fundo de investimento em Renda Fixa e, como tal, possui uma rentabilidade garantida e prefixada. Por isso não depende da variação do mercado e nem da habilidade do administrador.
  • Caracteriza-se por oferecer uma alta remuneração (apesar dos riscos), principalmente quando comparado aos principais fundos de investimentos existentes. O comum são remunerações de até 120% do CDI, e até 135% para investidores Seniores;
  • Divide-se em dois tipos básicos: Aberto (pode ser resgatado a qualquer momento pelo administrador do fundo) e Fechado (possui um tempo predeterminado para resgate — geralmente de no máximo 180 dias);
  • É uma operação ao alcance apenas de investidores especializados, operadores da bolsa, profissionais do mercado financeiro, indivíduos certificados pela CVM, entre outros profissionais do segmento;
  • As cotas são divididas em Seniores e Subordinados. Essa divisão tem a ver com a primazia do resgate. Essa primazia é dos investidores Seniores, enquanto os investimentos dos Subordinados dependem de toda a movimentação deles.
  • Não tem a cobertura do FGC ( Fundo Garantidor de Crédito);
  • É um tipo de investimento realizado sobre os créditos que uma empresa tem a receber, referentes a pagamentos com cheques, cartões de crédito, crediários, empréstimos, financiamentos, aluguéis, entre outros recebíveis;
  • Geralmente recomenda-se um investimento inicial entre R$20.000 e R$ 30.000,00;

 

  • Pode ser um investimento com prazo determinado ou indeterminado para o resgate.

 

 

Quais as principais vantagens e desvantagens do FIDC?

 

1. Vantagens

  • O fato de estar sujeito a uma maior fiscalização, faz dele uma operação menos sujeita a fraudes e desvios. Instituições como o Conselho Monetário Nacional, Banco Central, CVM, CRA, entre outras, ajudam a manter a idoneidade da operação;
  • As agências de rating avaliam os riscos envolvidos. Operações com rating AA são consideradas as mais seguras, e ajudam a avaliar a reputação dos investidores e instituições financeiras contratados;
  • Os créditos a receber (cheques, aluguéis, duplicatas etc.) geralmente são previamente avaliados por consultores especializados antes de entrarem na composição dos fundos;
  • Os direitos creditórios também permitem uma certa diversificação das operações. Eles podem ser negociados em outros segmentos do mercado financeiro de capitais, como o “mercado secundário”, por exemplo. Essa iniciativa em alguma medida ajuda a diminuir os riscos envolvidos;
  • O Imposto de Renda sobre a remuneração (apenas no momento do resgate) é de apenas 15%. Ou seja, além de uma menor incidência do imposto, ainda tem a vantagem de não ser tributado mensalmente;
  • Uma rentabilidade de até 120% do CDI é, sem dúvida, o grande atrativo dos Fundos de Investimento em Direitos Creditórios. Sem contar que as cotas Seniores podem ter uma rentabilidade de até 135%;
  • Outra vantagem do FIDC é a sua liquidez. O Fundo é baseado em recebíveis (cheques, duplicatas, aluguéis, entre outros). Eles são bem mais fáceis de serem convertidos em dinheiro sem que haja grandes perdas em seus valores.

Uma incidência de 15% do Imposto de Renda também pode ser considerada uma vantagem em relação aos demais.

 

2. Desvantagens

  • Pela alta complexidade desse tipo de operação, ela não pode ser realizada por indivíduos comuns e sem qualificação no segmento do mercado financeiro. É preciso que ele contrate os serviços de uma instituição ou de um administrador de fundos;
  • Outra desvantagem do FIDC é o fato de que ele não está amparado pelo Fundo Garantidor de Crédito. Esse Fundo serve como uma garantia do recebimento dos valores devidos, caso haja algum imprevisto ou contratempo;
  • Para muitos, o valor para investimento inicial entre R$ 20.000,00 e R$30.000,00 é alto. Mas, por ser fixado pela própria Comissão de Valores Imobiliários, dificilmente pode sofrer algum tipo de alteração;
  • É considerada uma operação de alto risco. Apesar de oferecer altas remunerações, há o problema de serem créditos que só serão recebidos posteriormente. Por esse motivo, não há garantias de que tais recebimentos se concretizem sem contratempos;
  • Possui taxas de administração consideradas altas (de até 4% ao ano), além de IOF e IR no resgate. Isso pode interferir, em alguma medida, nas remunerações alcançadas pelo investidor.

Chegamos ao final de mais um artigo! Caso ele tenha sido útil para você de alguma maneira, deixe um comentário. E continue acompanhando, comentando, divulgando, compartilhando e, principalmente, refletindo sobre as nossas publicações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ENTRAR