Duplicatas mercantis: entenda como elas funcionam

DRE: o que é, quais suas funções e como fazer?
2018-08-27
Antecipa Fácil na Futurecom 2018
2018-10-22

O que é uma duplicata mercantil?

Duplicata mercantil é um título de crédito em que o comprador se obriga a pagar dentro do prazo a importância representada na fatura. O documento é também conhecido apenas por duplicata. No Brasil, ela é regulada pela Lei Nº 5.474 de 18 de julho de 1968 – Lei das Duplicatas.

O artigo primeiro da lei, em seu texto, resume exatamente o que é uma duplicata mercantil: “Em todo o contrato de compra e venda mercantil entre partes domiciliadas no território brasileiro, com prazo não inferior a 30 (trinta) dias, contado da data da entrega ou despacho das mercadorias, o vendedor extrairá a respectiva fatura para apresentação ao comprador”.

Essa fatura, por consequência, discriminará as mercadorias vendidas. Se for o caso, poderá ser indicado apenas os números e valores das notas parciais expedidas por ocasião das vendas, despachos ou entregas das mercadorias.

A partir desse conceito entende-se que a duplicata é um título causal. Ou seja, ela só poderá ser emitida para documentar o crédito decorrente de negócio jurídico (compra e venda a prazo).

Ao contrário da nota promissória, que se trata de um título nominal assinado pelo comprador sob contrato, esse documento fica de posse do vendedor que, após o pagamento, irá devolvê-lo ao comprador como recibo do pagamento.

Para os casos de venda para pagamento em parcelas, poderá ser emitida uma duplicata única. Esse título de crédito contará com todas as prestações e seus vencimentos. Outra alternativa é a emissão de uma série de duplicatas, uma para cada prestação.

A duplicata mercantil é muito utilizada pelas empresas que comercializam seus produtos em grande escala. O mesmo ocorre com as pequenas e médias empresas do país.

A duplicata mercantil deve ser paga dentro do prazo representado na fatura

 

Qual a origem desse tipo de duplicata e suas funções?

A duplicata mercantil é um título genuinamente brasileiro e que surgiu antes mesmo do código comercial de 1850. Essa tratativa ocorreu da necessidade de  documentar os créditos relacionados à venda de mercadorias aprazo nas relações comerciais entre empresários do país.

O artigo 129 do código comercial citado já previa que, nas vendas por atacado, o vendedor deveria extrair, em duas vias, uma relação de mercadorias vendidas. Esse documento era assinado pelo comprador e cada uma das vias ficava de posse das partes contratantes.

“Art. 219 – Nas vendas em grosso ou por atacado entre comerciantes, o vendedor é obrigado a apresentar ao comprador, por duplicado, no ato da entrega das mercadorias, a fatura ou conta dos gêneros vendidos, as quais serão por ambos assinadas, uma para ficar na mão do vendedor e outra na do comprador. Não se declarando na fatura o prazo do pagamento, presume-se que a compra foi à vista (artigo nº. 137). As faturas sobreditas, não sendo reclamadas pelo vendedor ou comprador, dentro de 10 (dez) dias subsequentes à entrega e recebimento (artigo nº. 135), presumem-se contas líquidas”.

Vale frisar que todo esse processo que conhecemos nos dias atuais, e que foi se ajeitando juridicamente com o tempo, nasceu ainda na Idade Média. Naquela época, as práticas comerciais já necessitavam de um acordo que garantisse o recebimento na venda de material para uso e consumo.

Nos dias atuais, o processo que engloba a emissão das duplicatas mercantis segue um caminho mais simples. Ao invés do sacado recebê-las, o credor passou a informar os bancos sobre os títulos a vencer. Esses títulos dispõem de todas as informações necessárias, tais como endereço do devedor, valor do crédito e data de vencimento.

O banco, por sua vez, encaminha um boleto de cobrança ao devedor através de correspondência. Ou o próprio sacado faz esse processo por meio de correio eletrônico, modalidade cada vez mais utilizada. Assim, o boleto bancário ganhou status de substituto da duplicata mercantil.

Qual a diferença entre duplicata mercantil de serviço e virtual?

A duplicata mercantil representa o crédito do vendedor relativamente à importância faturada ao comprador por conta de mercadorias vendidas e entregues. Essas mercadorias são entendidas como matéria-prima, material para uso ,consumo e insumo.

Em contrapartida, a duplicata de prestação de serviços representa o crédito do prestador de serviços pela importância faturada ao tomador dos serviços. Um exemplo clássico é quando uma fábrica contrata as tarefas de algum profissional ou alguma empresa especializada para realizar melhorias prediais. Ou quando uma transportadora é contratada para fazer o deslocamento de artefatos até um cliente.

Sendo assim, quem contratou deverá pagar os serviços efetivamente prestados dentro do prazo estipulado em contrato. As duplicatas de prestação de serviços são exclusivas dos empresários individuais e das sociedades empresárias, assim como das associações e fundações.

A partir do momento que a informatização ganhou corpo em nossas vidas, as duplicatas virtuais surgiram como garantia de rapidez e praticidade. Basta comprarmos algo pela internet que iremos receber a chamada duplicata virtual, também conhecida como duplicata por indicação.

Esse expediente pode ocorrer tanto na venda de produtos quanto na contratação de prestação de serviços. Após o cliente virtual realizar a compra, seus dados, bem como os dados do negócio realizado, são informados a uma instituição financeira. O banco, também pela internet, encaminha ao comprador ou tomador de serviço um boleto bancário para que o devedor efetue o pagamento.

As duplicatas virtuais ganharam força após a informatização

Para os especialistas, o aceite da duplicata em questão se dá pela assinatura eletrônica a qual fará a validação do próprio documento. É o que está fundamentado pelo artigo 8º, parágrafo único, da Lei 9.492/97 e no artigo 889, do CC 2002.

“Art. 889 – Deve o título de crédito conter a data da emissão, a indicação precisa dos direitos que confere e a assinatura do emitente”.

“§ 3º – O título poderá ser emitido a partir dos caracteres criados em computador ou meio técnico equivalente e que constem da escrituração do emitente, observados os requisitos mínimos previstos neste artigo”.

Como vimos nesse artigo, a duplicata mercantil é uma espécie de título de crédito, com origem no Brasil, que tem como característica ser de natureza causal. Ela costuma ser utilizada pelas empresas que vendem seus produtos em grande escala. Mas  também fazem parte da vida de cada cidadão brasileiro, afinal, somos grandes consumidores.

Se você tiver outras informações para compartilhar conosco sobre duplicatas mercantis, não hesite e deixe aqui seus comentários. Aproveite também para continuar seguindo nosso blog para se atualizar sobre tudo o que envolve o processo de antecipação de recebíveis e demais assuntos dessa natureza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ENTRAR