O dicionário da Antecipa Fácil: o que é cedente, financiador e sacado?
O dicionário da Antecipa Fácil: o que é cedente, financiador e sacado?
2020-08-26
certificado digital para que serve e como obter
Tudo o que você precisa saber sobre certificado digital
2020-09-30

A duplicata escritural surgiu como uma ferramenta que atualiza um sistema pré-existente e auxilia em grande maneira a modernizar as relações comerciais. 

A duplicata é um importante instrumento que é utilizado no mercado financeiro e estabelece uma relação entre um credor e devedor. A partir de 2018 foi devidamente regulamentada a duplicata escritural, que facilita ainda mais a vida dos envolvidos nas relações financeiras que se valem desse tipo de documento.

Continue lendo para entender como essas duplicatas são utilizadas e qual é a novidade implementada em 2018 por meio de criação legislativa.

O que é uma Duplicata?

Antes de entender o que é a modalidade escritural é preciso compreender o que é uma duplicata.

Diferentemente do que muitos pensam, ela não se refere a uma cópia de um documento, mas a emissão de um título de crédito por um credor em favor de um devedor.

Nesse cenário o devedor deve aceitá-la e isso, por si só, corresponde a uma promessa de pagamento da dívida em questão. Quando há a quitação do valor correspondente à duplicata ela é retirada do mercado.

Contudo, (e isso vale igualmente para a duplicata escritural) não é qualquer documento emitido para fins de quitação de dívida que pode ser considerado uma duplicata, mas apenas aqueles que seguem uma série de preceitos estabelecidos por lei referentes à forma e requisitos.

Além disso, como era de se esperar, a duplicata, bem como os demais institutos e objetos de crédito evoluiu de forma a culminar no desenvolvimento da duplicata do tipo escritural, sobre a qual veremos maiores detalhes abaixo.

Duplicata escritural

A lei responsável pela regulamentação da duplicata escritural corresponde à 13.775/2018. Apesar de promulgada ainda no ano de 2018 ela tão somente entrou em vigor e passou a ser aplicada a partir de abril de 2019.

Desde então se tornou possível o registro eletrônico das duplicatas. Dessa maneira, cabe ressaltar que não houve a criação de um novo instituto de crédito, mas apenas a modernização e regulamentação para sua emissão de maneira diferenciada.

A duplicata escritural, nesse viés, segue as mesmas diretrizes que foram traçadas em sua criação, ainda em 1968, contudo apresenta atualização sobre a forma de emissão.

Ora, é inegável que a utilização de documentos em papel e a circulação deles têm caído em desuso mediante o desenvolvimento tecnológico. Isso, pois, resultou no desenvolvimento de um tipo de duplicata que fizesse uso dessa tecnologia e moderniza o uso desse tipo de título de crédito por meio de sua digitalização.

Ainda que o Código Civil de 2002 já previsse a possibilidade de utilização de títulos de crédito digitalizados, ele era impreciso quanto à forma de utilização desses documentos não-físicos.

É por isso que apenas em 2019 foi possível a utilização da duplicata escritural, uma vez que houve o desenvolvimento de uma lei específica que previa o seu uso digital, muito mais prático e compatível com a modernidade.

Como é utilizado, na prática, esse tipo de duplicata digital?

A criação desta versão moderna de duplicatas decorreu do desejo de estimular o crédito e, ao mesmo tempo, reduzir fraudes comuns às transações comerciais que eventualmente faziam uso do documento mercantil.

Contudo, somente as entidades autorizadas pelo Banco Central podem utilizar-se do sistema de escrituração de duplicatas. Dessa maneira, ele deve abarcar o controle e organização quanto à apresentação, aceite, devolução e formalização da prova de pagamento desses documentos.

Todas essas questões, aliás, serão abarcadas pelo sistema eletrônico, dispensando qualquer tipo de emissão de documento físico comprobatório ou que autorize a transação nesses moldes.

Por outro lado, as empresas que adotarem esse sistema eletrônico da duplicata escritural também passam a ser dispensadas da necessidade de manter um Livro de Registros de Duplicata, necessário até então para validar esse documento de crédito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ENTRAR