Direitos creditórios e pessoais: definição e funções

Empresa com protesto: 5 coisas que você deve fazer para recuperar seu negócio
2018-10-22
Certidão Negativa de Débito: tudo o que você precisa saber
2018-10-29

Há diversos tipos de fundos de investimento no mercado financeiro e isso gera muitas dúvidas por parte dos investidores, principalmente quando se trata do que são direitos creditórios. Logo, neste artigo iremos tirar todas as dúvidas relacionadas sobre esses direitos que estão muito em alta ultimamente.

O que são direitos creditórios? São direitos que a empresa tem a receber pela venda de títulos.

O que é um direito creditório?

Direitos creditórios são originados de créditos que uma empresa tem a receber, podendo ser através de cheques, aluguéis, duplicatas ou vendas feitas por meio de cartões de créditos. Porém, muitas empresas não podem esperar por um longo prazo para receber essas contas, então optam por transformá-las em títulos e vendê-las a instituições financeiras e assim antecipar o recebimento e poder cumprir com suas obrigações.

Quais as principais funções de um direito creditório?

Para ficar mais claro, o processo funciona da seguinte forma: quando uma loja vende uma mercadoria a prazo, ela poderá antecipar o recebimento das parcelas através de uma cessão de direitos creditórios, onde um investidor compra o título e para isso desconta-se certo valor. Quando o cliente efetuar o pagamento das parcelas, o dinheiro irá diretamente para a conta do investidor e não da loja. Dessa forma, quem investiu lucra com a porcentagem descontada na cessão do título.

É importante ressaltar que todo esse processo de transformar uma dívida em direito creditório é chamado de securitização. E, pode ser muito benéfico para as empresas, visto que elas conseguem fidelizar seus clientes ao oferecer facilidade de crédito e ainda conseguem antecipar o recebimento das parcelas para cumprir com o pagamento das despesas e investir ainda mais na organização.

Lembrando que, se a empresa pretende trabalhar com cessão de títulos para terceiros, é bom levar isso em consideração ao formar os preços de vendas.

O que é o FIDC

O FIDC é um condomínio de investidores, reunidos em uma aplicação comum.

Para iniciarmos a falar sobre o que é uma FIDC, é importante que você saiba o significado desta sigla, que quer dizer Fundo de Investimento em Direitos Creditórios. O FIDC funciona como um condomínio de investidores que reunidos aplicam seus recursos em um investimento comum a todos. Para isso, 50% do valor deve ser destinado para a aplicação em direitos creditórios.

Esse tipo de investimento é feito em títulos de crédito originados através de contas a receber de determinada empresa. É um tipo de investimento de renda fixa, conhecido também como Fundo de Recebíveis. Já os rendimentos são taxas pré-acordadas e não dependem de taxas e juros variáveis pelo mercado para obter um resultado.

Essa modalidade de investimento pode ser constituída de forma aberta ou fechada. Na aberta, o investidor pode resgatar suas cotas a qualquer momento, já na fechada há um prazo determinado para resgate. Todo o processo de compra e venda de títulos é administrado por uma instituição financeira e tudo é feito de forma regulamentada.

O FIDC ainda é composto por dois tipos de cotas, a do tipo Sênior e do tipo Subordinada. A cota Sênior possui rentabilidade pré-fixada, portanto é considerada título de renda fixa.  Ela possui preferência no resgate da aplicação ou amortização. Já a cota subordinada só pode retirar seus lucro após os cotistas da Sênior ter recebido os seus rendimentos.

A vantagem de se ter uma cota subordinada é que se o título tiver uma rentabilidade baixa de acordo com a prevista, os seniores receberão o valor da rentabilidade fixa e os subordinados ficam com o restante dos lucros. Caso o título tenha uma rentabilidade maior do que a prevista, os cotistas seniores continuam recebendo o valor fixo e como os subordinados recebem o que sobra dos lucros e, consequentemente, terão uma rentabilidade maior do que a dos seniores.

É importante lembrar que pequenos investidores não conseguem participar desse tipo de fundo, visto que há necessidade de ser enquadrado em uma das categorias abaixo:

  • Investidores que são classificados como profissionais;
  • Investidores que possuem certificação da Comissão de Valores Mobiliários para registro de agentes autônomos, analistas, administradores de carteira e consultores de valores mobiliários;
  • Clubes de investimentos geridos por um ou mais cotistas que sejam investidores qualificados;
  • Pessoa física ou jurídica que possui investimentos de mais de R$ 1 milhão, comprovados por termo assinado.

A principal vantagem de investir em um FIDC é a segurança, já que os investidores recebem classificação de risco por agências de rating e ainda podem contratar consultorias de crédito para avaliar os recebíveis, antes que passem a compor os fundos e o controle do Fundo de Investimento de Direitos Creditórios. Como esse tipo de investimento envolve diversas instituições, acaba trazendo ainda mais segurança para o investidor, justamente por ter uma maior fiscalização.

Ainda podemos citar como vantagem a possibilidade de negociação no mercado secundário, pois a rentabilidade é muito atrativa, podendo chegar a 120%. Além disso, também é uma boa opção para a diversificação dos investimentos.

Como em qualquer tipo de investimento, o FIDC também possui algumas desvantagens, tais como a restrição de perfil para investidores, o fato de não possuir garantia do Fundo Garantidor de Crédito, ter o valor mínimo para aplicação de R$ 25 mil e ainda possuir altas taxas de administração.

Agora que você já sabe mais sobre esse tema relacionado ao mercado financeiro, ainda ficou alguma dúvida ou tem alguma sugestão? Deixe sua opinião nos comentários.

Além disso, continue seguindo nossas publicações para saber mais curiosidades desse ramo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ENTRAR